A Recuperação Pós-cirúrgica do Manguito Rotador

Da Cirurgia ao Retorno às Atividades

Entenda o passo a passo da recuperação cirúrgica de reparo do manguito rotador do ombro até o retorno às atividades normais de trabalho.

Passo a passo

1 – O período de internação é de 01 dia;

2 – A anestesia realizada é o bloqueio do braço mais a anestesia geral;

3 – O braço é imobilizado imediatamente com a tipoia, após o procedimento;

4 – No primeiro mês a tipoia deve ser mantida e retirada apenas para tomar banho;

5 – O curativo deve ser realizado todos os dias até a retirada dos pontos, que acontece com 15 dias… ver os cuidados imediatos;

6 – A fisioterapia passiva é iniciada após o período de 30 a 45 dias.

7- Apos 30 a 45 dias, a tipoia deverá ser retirada para realizar fisioterapia e recolocada para dormir ou sair à rua;

8 – Ao completarem três meses de cirurgia a tipoia é retirada definitivamente;

9 – Com 03 meses, os exercícios de fortalecimento e atividades com esforços físicos progressivos poderão ser liberados.

10 – A liberação para as atividades, como dirigir e atividades domésticas, pode ser feita após três meses e, dependendo do tipo de trabalho, esse também pode ser liberado ou até antecipado, a depender de cada procedimento.

O Tipo de Anestesia para a Cirurgia do Ombro

O tipo de anestesia realizada para fazermos a cirurgia do ombro é o bloqueio do membro superior somado à anestesia geral.

Possibilita menor volume anestésico refletindo em maior segurança; maior conforto devido ao posicionamento cirúrgico ser em decúbito lateral; maior comodidade do paciente pois ao término do procedimento, acordar sem dor.

Como é feito o bloqueio anestésico no ombro?

Os nervos que vão para o braço se originam na coluna cervical, descem pelo pescoço em direção aos ombros, braços, cotovelos, antebraços e mãos. Com a aplicação dos medicamentos anestésicos junto aos nervos, o braço pode ser anestesiado.

Na altura do pescoço, é possível encontrar o melhor posicionamento para aplicar os anestésicos. Ao fazê-lo, o braço é anestesiado e, com isso, é possível que a anestesia geral seja mais segura, pois utiliza menor volume anestésico e o paciente pode, ao término do procedimento, acordar sem dor e já imobilizado.