SÍNDROME DO IMPACTO OU COLISÃO DO OMBRO

O que é a Síndrome do Impacto?

É uma doença degenerativa dos tendões dos ombros que pode causar grandes limitações funcionais aos braços. Suas dores são referidas na face lateral dos braços, pioram ao levantar e abaixar os mesmos e, com grande frequência, se intensificaram ao deitar, tentar pentear o cabelo ou colocar as mãos nas costas.

Os motivos da sua ocorrência são os movimentos repetitivos e a anatomia do ombro.

Não precisa estar carregando peso com os braços para que o atrito aconteça internamente nos ombros. O simples fato de levantar ou abrir os ombros pode gerar atrito e, esse, acontecendo de forma repetitiva pode causar o que chamamos de Síndrome do Impacto.

Como acontece?

As estruturas ósseas dos ombros são propensas a se chocarem durante os movimentos naturais dos braços. O impacto interno é ocasionado pela própria anatomia ou por enfraquecimento muscular do Manguito Rotador. Acontece ao levantar ou abrir os braços quando a angulação de abertura atinge entre 60 e 120 graus.

Quais as consequências?

A diminuição progressiva das funções dos ombros, dificuldades para dormir, dores persistentes ou recidivantes, rigidez articular, atrofias musculares, incapacidade de levar ou de movimentos rotacional do braço acometido.

Os sinais da possível existência da Síndrome do Impacto do ombro.

A presença de dores na região lateral e/ou anterior do braço, mais especificamente acima do cotovelo, sugere a existência da Síndrome do Impacto. Dores que pioram durante o levantar e o abaixar do ombro doloroso, que aumentam ao dormir e melhoram quando se levanta.

O diagnóstico, como acontece?

É possível diagnosticar esse problema através de teste clínico de movimentos, o teste da xylocaina, pelos sinais radiográficos e por exame de ressonância magnética. Pela ressonância ainda é possível mensurar a gravidade do problema, como: tamanho da lesão, grau de atrofia muscular, locais de inflamação e outros.

Vários são os problemas que fazem diagnóstico diferencial.

Algumas doenças podem gerar dores e limitação funcional similares à Síndrome do impacto. Dentre elas, temos: doenças da coluna cervical, as síndromes compressivas de nervos periféricos, dores musculares e outras.

A classificação pelo exame de ressonância magnética.

No grau I, existem apenas inflamações dos tendões; no grau II já existe tendinopatia de um ou mais tendões; no grau III, existe ruptura do Manguito Rotador, parcial ou completa.

TRATAMENTO

Todos os esforço do tratamento da Síndrome do Impacto devem ser focados em minimizar o impacto ou a colisão interna do ombro. A estrutura muscular, a estrutura óssea e os hábitos de atividade física são os fatores que influenciam na ocorrência ou na melhora do problema.

A estrutura muscular dos ombros

Restaurar o equilíbrio muscular do ombro por meios de exercícios pode minimizar a causa do impacto e evitar o seu agravamento do problema. Quando já existem lesões ou rupturas da estrutura muscular, primeiro, faz-se necessário a sua correção.

A estrutura óssea do ombro

A estrutura óssea dos ombros é uma das causas do problema e os seus movimentos repetitivos são os agravantes. Faz-se necessário diminuir os movimentos repetitivos para tentar uma melhora, caso contrário, uma plástica na estrutura óssea pode ser preciso, pois modificando levemente a anatomia do ombro o impacto pode ser minimizado.

Os medicamentos para diminuir inflamação e aliviar das dores.

Os MEDICAMENTOS analgésicos e anti-inflamatórios são apenas auxiliares no tratamento da Síndrome do Impacto dos ombros, são considerados PALIATIVOS.

O Tratamento Cirúrgico

Quando o tratamento clínico não resolve o recomendado é a descompressão cirúrgica artroscópica do ombro. Descomprimir o ombro, significa retirar as bordas ósseas do acromio e/ou do coracoide para abrir espaço, facilitar os movimentos e diminuir o trauma sobre os tendões.

Video ilustrando o impacto subacromial com aumento de volume da bursa.

Comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.